News

PGR confirma inquérito-crime em relação a ex-diretor-geral de Recursos da Defesa – Última Hora



A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou esta quinta-feira a existência de um inquérito-crime à gestão da Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN) durante a liderança de Alberto Coelho, que passou, entretanto, para a ETI – Empordef, uma empresa tutelada pelo Estado.






Vítor Mota/Cofina Media

“Confirma-se apenas a existência de inquérito, o qual se encontra sujeito a segredo de justiça”, esclareceu a PGR, em resposta enviada à Lusa.
Contudo, o Ministério Público (MP) não adiantou mais informações sobre a constituição de arguidos ou os alegados crimes em causa, depois de a revista Visão ter revelado hoje a existência de suspeitas de corrupção na DGRDN, enquanto Alberto Coelho esteve à frente daquele organismo.

A publicação refere que em causa podem estar crimes de peculato, participação económica em negócio e corrupção, que estão a ser investigados, desde 2018, pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa (DIAP).

Alberto Coelho deixou já a DGRDN e foi escolhido em fevereiro de 2021 para presidir à ETI — Empordef Tecnologias de Informação, já depois de o seu nome estar envolvido em polémica, devido à ultrapassagem dos gastos nas obras do Hospital Militar de Belém, que em 2020 sofreu obras de remodelação para ser convertido num centro covid-19. O orçamento apontava gastos de 750 mil euros, mas o custo final atingiu os 3,2 milhões de euros.

Já hoje, em resposta a perguntas da Lusa, o ministério da Defesa Nacional referiu que Alberto Coelho, eleito em Assembleia Geral realizada em 8 de junho de 2021, terminou o mandato à frente da ETI – Empordef Tecnologias de Informação “em 31 de dezembro de 2021, mantendo-se os membros em funções, como é prática corrente, até que seja marcada Assembleia Geral eletiva”.

De acordo com o Ministério da Defesa, “o próprio informou o acionista da ETI que atingiu este ano a idade de reforma e que pretende solicitar a aposentação, nos termos da lei”.

No início do mês, o Tribunal de Contas confirmou também à agência Lusa, depois de uma notícia avançada pela TSF, que Alberto Coelho é alvo de um procedimento por eventual infração financeira relacionada com a derrapagem no custo das obras de requalificação do antigo Hospital Militar de Belém, em Lisboa.

Artigos Relacionados








Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.